20191122_142223_HDR (800x600)
Trens da CPTM na Estação Brás (Foto: Thiago Silva)

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) transporta cerca de 3 milhões de passageiros por dia, número maior do que a maioria das cidades brasileiras e até mesmo muitos países. São 94 estações e 23 municípios atendidos em 270 km de trilhos. Tais números colocam a empresa entre as maiores do Brasil e da América Latina.

Vendo essa grandiosidade, muitos já devem ter pensando quais estações recebem o maior número de usuários em dias úteis, por exemplo. E dentro de sua página, é possível ter acesso a esses números. Os resultados são bem interessantes.

A CPTM divide as estações em quatro grupos: até 10 mil usuários por dia; de 10 mil a 20 mil; de 20 mil a 50 mil e acima de 50 mil.

E dentro desses grupos estão alocadas as estações correspondentes. Para se ter uma ideia, 12 estações da CPTM recebem 50 mil ou mais passageiros por dia. A campeã é, nada mais, nada menos, que Brás, que em novembro teve uma média de usuários de mais de 190 mil passageiros, um número incrível.

A título de comparação, esse número da Estação Brás chega a ser maior que alguns dos municípios atendidos pela empresa, como é o caso de Francisco Morato e Poá que, em 2017, tinham uma população aproximada de 171 mil e 115 mil pessoas, respectivamente. Impressionante, não?

Na outra ponta, porém, ou seja, entre as estações menos movimentadas, a campeã é Botujuru que pertence à Linha 7-Rubi e teve uma média de 1,6 mil passageiros, o que significa dizer 0,87% da Estação Brás. Vale destacar, porém, que a empresa não coloca no cálculo as estações Santa Rita e Amador Bueno.

Considerando os quatro grupos citados anteriormente, a CPTM possui:

  • 34,78% de suas estações com até 10 mil passageiros;
  • 31,52% de suas estações entre 10 mil e 20 mil passageiros;
  • 20,65% de suas estações entre 20 mil e 50 mil passageiros;
  • 13,04% de suas estações acima de 50 mil passageiros.

Indo um pouco mais além, se pegarmos o número de passageiros das 12 estações mais carregadas da empresa, elas somam mais 1,2 milhão de passageiros.

Um fato que merece ser mencionado é que mesmo com esse grande número de passageiros, das 12 estações, duas delas ainda não possuem acessibilidade total, como é o caso de Prefeito Celso Daniel-Santo André e Mauá, segundo informações colhidas no próprio site da empresa.

Outro detalhe, muitas vezes considerado polêmico, mas que é impossível não notar é em relação ao tamanho das estações. Procuramos alguns dados a respeito, mas não encontramos, por isso fica difícil fazer uma análise mais certeira. Mas do ponto de vista visual, percebemos que algumas estações são muito maiores que outras, sendo que sua demanda de embarcados não condiz com isso.

É o caso de Vila Aurora, na Linha 7-Rubi, com seus mais de 10 mil embarcados, e Grajaú, na Linha 9-Esmeralda, com seus quase 75 mil. A primeira, visualmente falando, parece ser muito maior que a primeira, porém, o número de passageiros da segunda é 7 vezes mais.

Evidente que algumas estações são projetadas para uma demanda futura, porém, olhando o entorno de Vila Aurora, fica difícil acreditar que um dia ela terá uma demanda padrão Grajaú. Mas essas são decisões da empresa e, embora discordemos, respeitamos.

Ainda sobre as estações mais movimentadas, é interessante lembrar que algumas delas são foco de exploração comercial. E não é para menos. Com 190 mil pessoas por dia, empreender no Brás é garantia certa de um bom retorno, por exemplo. Nesse sentido, a empresa está certa.

Sobre o Brás, não podemos deixar de mencionar que sempre há operações no final do ano para dar conta da alta demanda. Aliás, agora, com o prolongamento da Linha 7-Rubi nos dias úteis, são cinco linhas da empresa que atendem a estação.

Abaixo, segue uma imagem com os dados de embarcados em todas as estações da CPTM referentes ao mês de novembro.

demanda cptm
Embarques médios em todas as estações da CPTM (Foto: CPTM)