Patinetes-yelow-grin-bicicleta
Patinetes e bicicletas (Foto: William Melo/Oeste Post)

Uma das ideias mais legais e inteligentes dentro do escopo da prestação de serviço, qualquer que seja ele, é tentar ao máximo fidelizar o cliente de modo a dar descontos, benefícios ou qualquer outro atrativo.

E no transporte essa ideia não seria diferente, ainda mais em um momento onde as formas de se locomover pelas grandes cidades estão cada vez maiores, mais capilares e mais competitivas.

Pensando nisso, a Grow, holding que nasceu em janeiro de 2019, resultado da fusão entre as empresas de patinetes e bicicletas compartilhadas Grin e Yellow, lançou no mercado brasileiro, no último dia 11 de dezembro, um inovador programa de fidelidade: o Grin Prime. O novo serviço chega ao país primeiramente em São Paulo e visa tornar os serviços de micromobilidade mais acessíveis ao público.

O programa consiste em uma taxa mensal de R$ 15, que permite aos usuários alugar patinetes elétricas e bicicletas sem precisar pagar o valor de desbloqueio a cada corrida (de R$ 3 para patinetes e R$ 1 para bicicletas). Assim, quem aderir ao plano irá custear somente os minutos de uso dos equipamentos (R$0,05 o minuto para bikes e R$ 0,50 para patinetes) e também terá acesso a benefícios exclusivos que serão anunciados em breve.

“O Grin Prime é a nossa maneira de agradecer aos milhões de usuários que nos permitiram cumprir nossa missão de trazer transporte sustentável para a América Latina”, avalia Gerry Giacomán Colyer, Head Global de Revenue da Grow.

Nos primeiros 30 dias, não haverá cobrança da mensalidade, para estimular a degustação do novo modelo. A adesão pode ser feita via aplicativo da Grin (o programa contempla as bikes amarelas e patinetes verdes; as patinetes da parceria com a Rappi não entram no serviço de assinatura).

“Nosso modelo de assinatura é o primeiro de muitos passos que planejamos para tornar os nossos serviços uma alternativa acessível de deslocamento, o que é bom para os usuários, mas também para as cidades”, explica Karim Hardane, diretor-geral da Grow no Brasil.

O Plamurb gostou da ideia e acreditamos que isso possa acabar por trazer mais usuários para esse tipo de serviço, já que a taxa de desbloqueio em cada corrida, acabava sendo um ponto negativo, conforme conversas que tivemos com algumas pessoas. E o segredo está justamente aí, ou seja, oferecer benefícios e fidelizar os clientes. É uma regra básica. A Grow está no caminho certo.

Esse pode ser o primeiro passo para que no futuro, novos planos ou modos de fidelidade sejam implantados, tornando os benefícios maiores e atraindo novos usuários desse tipo de serviço.

Bilhete Único Mensal e Cartão Fidelidade

Pode parecer uma comparação descabida, mas esse programa de fidelidade da Grow, inevitavelmente, acaba por ser comparado com outros programas de fidelidade existentes no transporte por ônibus e sobre trilhos.

O Cartão Fidelidade foi lançado em 2007. Ele pode ser carregado com 8, 20 ou 50 viagens, sendo que o valor nominal por passagem acaba sendo menor do que seria pago se o passageiro comprasse o bilhete de forma avulsa.

Dependendo do valor carregado no Cartão Fidelidade, o passageiro pode economizar, aproximadamente, entre R$ 4 e R$ 28. Essa economia depende da tarifa vigente, mas não foge muito disso aí, pois a proposta é fidelizar o passageiro e garantir um gasto menor com transporte.

Já, o Bilhete Único Mensal, foi lançado em 2014 e ao carregar com um valor de uma cota pré-estabelecida, é possível usá-lo durante os 31 dias do mês sem a necessidade de uma nova compra de créditos dentro do período. Há um limite de 10 embarques por dia.

Até o ano de 2017, o referido bilhete era totalmente vantajoso para quem trabalha de segunda a sexta, dias onde a apelação pela utilização do transporte público é muito maior, visto o número de carros que circulam pela cidade.

Infelizmente a gestão de João Doria (PSDB) acabou por mudar o conceito de benefício do referido cartão, aumentando seu valor de forma que, agora, ele só é vantajoso para quem usa ônibus, praticamente, de segunda a domingo.

Em que pese os erros da gestão Doria, o Bilhete Único Mensal foi uma boa ideia e acabou por ser uma forma de fidelizar os passageiros que, ao carregar no início do mês, ficavam despreocupados com o saldo restante e coisas do tipo.

Esperamos que o atual ou próximo prefeito, corrija esse grande equívoco e torne os bilhetes temporais novamente atraentes.

Enfim, a Grow está de parabéns. Já a prefeitura de São Paulo, tem muito o que aprender.